12
dez
2017

Chegaram as férias escolares, e como nossas crianças estão curtindo este período?

Foi-se o tempo que as crianças podiam brincar livremente pelas ruas e parques sem qualquer empecilho. O número de carros na rua aumentou, a violência urbana não para de crescer, junto com isso a preocupação de pais em deixar seus filhos brincarem ao ar livre ficou ainda maior. Outro empecilho e grande vilão do brincar ao ar livre é a tecnologia. Atualmente as crianças passam grande parte de seu tempo em smatphones, tablets, videogames e outros aparelhos que deixam as crianças presas em um mundo virtual.

Como professor de educação física pude constatar durante muitas observações, a diferença de alunos que tem o hábito de brincar ao ar livre, para os alunos que ficam mais presos aos jogos e equipamentos eletrônicos. O desenvolvimento motor de crianças depende muito do “brincar”. Simples gestos em brincadeiras como saltar, correr ou pular são importantíssimos para que das crianças adquiram esses padrões motores fundamentais. Crianças que não tem o hábito de brincar ao ar livre, apresentam dificuldades para desenvolver em atividades físicas e esportivas num futuro, isto de deve pela falta destes padrões motores fundamentais que são adquiridos através de brincadeiras.

É evidente que os desafios e os empecilhos para incentivarmos nossas crianças para brincar ao ar livre são muitos, porém não podemos nos acomodar. Cabe aos pais e educadores, a missão de incentivar e criar estratégias para que nossas crianças consigam simplesmente serem crianças.

Para ajudar nesta missão, vou dar algumas dicas:
– Crie espaços em seu quintal de casa para brincadeiras. Como gramados, árvores, brinquedos, equipamentos para esportes, entre outros.
– Caso você more em apartamento, participe das reuniões de condomínio e revindique por espaços para as crianças.
– Leve seu filho para brincar em parques, áreas verdes e praias.
– Crie uma rotina para o seu filho, colocando limites para os jogos e equipamentos eletrônicos.
– Incentive seu filho a chamar os colegas para brincar, e que ele também vá à casa de amigos, mas sempre lembrando que eles devem gastar a maior parte do dia com brincadeiras ao ar livre.

Professor José André (Futsal).